América do Sul, Brasil, Rio de Janeiro, Sudeste

14 principais pontos turísticos do Rio de Janeiro e passeios de um dia

O cenário do Rio de Janeiro entre as montanhas e o mar é tão espetacular que a UNESCO citou “a incrível localização de uma das maiores cidades do mundo” ao nomear o Rio como Patrimônio Mundial. Os elogios da UNESCO não foram apenas pelo cenário natural, mas também pela paisagem cultural urbana e pela mistura de arquitetura e espaço verde planejado que caracterizaram o crescimento da cidade.

1 – Cristo Redentor

A gigantesca estátua de Cristo, com vista para a cidade a partir do cume de 709 metros do Corcovado, é quase um símbolo do Rio tão amplamente reconhecido quanto a forma distinta do Pão de Açúcar. O marco mundialmente famoso foi erguido entre 1922 e 1931, financiado quase inteiramente por contribuições de católicos brasileiros.

A estátua Art Deco foi criada pelo escultor polonês-francês Paul Landowski e construída pelo engenheiro brasileiro Heitor da Silva Costa, em colaboração com o engenheiro francês Albert Caquot. Feita de concreto armado e pedra sabão, a figura em si tem 30 metros de altura e braços que se estendem por 28 metros; pesa 635 toneladas. Dentro de sua base de oito metros de altura, há uma capela, onde não é incomum encontrar casamentos e batismos. A ferrovia do Corcovado segue pela Rua do Cosme Velho, subindo a trilha de 3,5 quilômetros até a estátua, através do Parque Nacional da Tijuca.

2 – Pão de Açúcar

O marco mais conhecido do Rio de Janeiro é o pico do Pão de Açúcar, elevando-se 394 metros acima do porto. Em um ponto de terra que se projeta na baía e envolve seu porto e é conectado à cidade por uma faixa baixa de terra. Você pode pegar um teleférico da Praça General Tibúrcio até o topo do Morro da Urca, um pico mais baixo do qual um segundo teleférico passa até o cume do Pão de Açúcar. A partir daqui, você pode ver toda a costa montanhosa que circunda a baía e suas ilhas. Abaixo, a praia da Urca, com 100 metros, fica próxima ao local do núcleo original do Rio, entre o Morro Cara de Cão e o Pão de Açúcar. Em Cara de Cão, existem três fortes, dos quais o Forte São João, em forma de estrela, do século XVI, é aberto ao público.

3 – Copacabana

Poucas cidades são abençoadas com uma bela praia no coração, e muito menos uma que se estende por quatro quilômetros ao longo de um lado inteiro do centro da cidade. A poucos passos de suas areias douradas estão a Avenida Atlântica, a Avenida Nossa Senhora de Copacabana e as ruas menores vizinhas, onde você encontrará atraentes edifícios centenários, bons hotéis, restaurantes e cafés populares. O monarca inquestionável da região e dos hotéis do Rio, é o renomado Palácio Copacabana , construído na década de 1920 e agora protegido como monumento nacional.

4 – Ipanema

Continuando a partir dos quatro quilômetros de Copacabana, as praias de Ipanema e Leblon são separadas pelo Canal Jardim de Alá, que drena a Lagoa Rodrigo de Freitas. Ao longo do passeio marítimo, há grandes hotéis, cafés na calçada e restaurantes. Esses dois distritos, embora mais conhecidos por suas praias, têm uma vida cultural animada, com galerias de arte, cinemas e um teatro de vanguarda. A Praça de Quental, no Leblon, é palco de um mercado de antiguidades todos os domingos, e a Praça General Osório acolhe a Feira de Artesanato de Ipanema, no domingo, com artesanato, música, arte e comidas locais.

5 – Parque Nacional da Tijuca

O Parque Nacional da Tijuca protege a Floresta da Tijuca e vários pontos. com vista para a cidade e rodeia o Cristo Redentor. Para explorar o parque, você pode deixar o trem até Corcovado no ponto médio e seguir a estrada pela floresta. A Floresta da Tijuca, com 3.300 hectares, uma das maiores florestas do mundo dentro de uma cidade, foi plantada no final da década de 1850 em terras destruídas pelas plantações de café, para proteger as nascentes que abasteciam a água do Rio de Janeiro. A maioria das árvores é de espécies nativas e fornece habitat para macacos capuchinhos, quatis (guaxinim brasileiro), tucanos coloridos, falcões, borboletas azuis brilhantes e muitas outras espécies de animais selvagens, que você pode observar enquanto explora suas trilhas e estradas.

6 – Jardim Botânico

Cobrindo 350 acres no sopé do Corcovado, o Jardim Botânico do Rio combina um santuário ecológico com jardins de exposições e um laboratório científico, tudo em um belo cenário de parque. Os destaques são o orquidario, uma estufa de ferro e vidro construída na década de 1930 e repleta de mais de 2.000 espécies de orquídeas, e os Jardins Japoneses, com cerejeiras, pontes de madeira, lagoas de carpas e bonsai. Um jardim sensorial de plantas e ervas aromáticas é assinado em Braille. O jardim, que é uma reserva da biosfera da UNESCO, contém mais de 8.000 espécies de plantas e os pássaros e animais que fazem disso seu habitat, incluindo macacos e tucanos. Você pode caminhar pelos jardins, sob as palmeiras reais e os pau-brasil, ou passear em um passeio de carrinho elétrico.

7 – Maracanã

Imperdível para os fãs de futebol, o maior estádio do Brasil abrigou as cerimônias de abertura e encerramento dos Jogos Olímpicos de Verão de 2016. Foi completamente renovado para a Copa do Mundo da FIFA 2014 e cabe mais de 78.000 fãs. O estádio é usado para partidas entre os principais clubes de futebol do Rio, Flamengo, Botafogo, Fluminense e Vasco, além de shows.

8 – Santa Tereza e Escadaria Selarón

Um bairro de ruas íngremes e tranquilas e casas de cem anos de idade, Santa Tereza é o bairro mais atmosférico do Rio. Embora seus maiores encantos sejam encontrados apenas vagando pelas ruas, que geralmente se abrem para belas vistas, existem várias atrações e coisas para fazer, entre elas a igreja e o convento de Santa Tereza. O Museu Chácara do Céu tem uma arte coleção de obras principalmente modernas, incluindo as de Picasso, Miró e Matisse, além de esculturas chinesas dos séculos XVII a XIX.

Nos limites de Santa Tereza, onde se une ao bairro da Lapa, é uma das mais novas atrações turísticas do Rio, a Escadaria Selarón. De 1990 até sua morte em 2013, o artista chileno Jorge Selarón percorreu um longo lance de degraus em frente a sua casa com mosaicos feitos de azulejos, cerâmica e espelhos, muitos em azul, verde e amarelo, cores da nossa Bandeira. Selarón começou usando azulejos quebrados que recuperou de canteiros de obras e demolições de prédios antigos, mas quando seus passos chamaram a atenção dos turistas, as pessoas começaram a trazer cerâmica e azulejos de todo o mundo. Agora, peças de mais de 60 países estão representadas nos 250 degraus, que cobrem 125 metros de escada.

9 – São Bento

Na colina logo acima do porto estão a igreja e o mosteiro de São Bento, um dos melhores complexos beneditinos do Brasil. A igreja original de 1617 ficou sem corredores até ser ampliada na segunda metade do século XVII com a adição de oito capelas laterais. Os melhores artistas da ordem beneditina estavam envolvidos na decoração do interior. A escultura exuberante que cobre as paredes e o teto foi obra de um monge chamado Domingos da Conceição, responsável pelas figuras de São Bento e Santa Escolástica no altar-mor. A capela do coral conta com obras de prata de Mestre Valentim e 14 pinturas de Ricardo do Pilar, monge que foi o principal pintor beneditino do Brasil colonial. Sua obra-prima, o Senhor dos Martírios, está na sacristia do mosteiro.

10 – São Francisco da Penitência

A Igreja da Ordem Terceira de São Francisco da Penitência é dividida em três seções com entradas separadas, e a fachada simples desta igreja esconde as riquezas que existem dentro. O interior, iniciado em 1657 e concluído em 1773, é um tumulto de talha dourada. Entre os que contribuíram para a decoração do interior estavam Manuel e Francisco Xavier de Brito, dois principais escultores e entalhadores portugueses. Eles tinham estilos muito semelhantes, conhecidos como Brito, usando formas decorativas que influenciavam Aleijadinho e outros mestres do barroco brasileiro. O teto do coro tem a primeira pintura trompe-l’oeil do Brasil, concluída em 1736, obra de Caetano da Costa Coelho, que posteriormente pintou o teto da nave no mesmo estilo.

11 – Teatro Municipal

O grande Teatro Municipal, construído no início do século XX, foi inspirado na Ópera de Paris de Charles Garnier, e seu interior é ainda mais ornamentado e luxuoso do que a dramática fachada imponente. Os destaques são as esculturas de Henrique Bernardelli e as pinturas de Rodolfo Amoedo e Eliseu Visconti, além da cortina, do friso do proscênio e do teto. Existem visitas guiadas, algumas em inglês, ou você pode assistir a concertos clássicos e apresentações de balé aqui.

12 – Quinta da Boa Vista

Os jardins, vilas e palácios imperiais de São Cristóvão são agora parques e museus públicos, o principal deles é a Quinta da Boa Vista. De 1808 a 1889, o palácio foi a residência da família real e imperial e mais tarde foi alterado e reconstruído como o Palácio de São Cristóvão. Abriga o Museu Nacional , que possui as maiores coleções zoológicas, botânicas, etnográficas e arqueológicas do país, totalizando mais de um milhão de itens. No amplo parque, existem jardins com lagos, bosques e cavernas, que você pode alcançar através de uma ferrovia em miniatura. Também dentro do parque há um zoológico com mais de 2.000 espécies de mamíferos, aves e répteis do Brasil e do mundo.

13 – Nossa Senhora do Carmo e Monte do Carmo

A igreja paroquial de Nossa Senhora do Carmo foi a Capela Real de 1808 a 1889 e a catedral até a moderna em 1976. Ligada a ela por uma passagem está uma segunda igreja carmelita, o Monte do Carmo, iniciada em 1755. Destacam-se a fachada barroca, a porta de pedra e a talha branca e dourada de Mestre Valentim na capela do Noviciado. A antiga catedral de 1761 é ricamente decorada com talha e possui um altar alto em prata. Em uma rua lateral fica a capela de Nossa Senhora do Cabo da Boa Esperança , o último oratório de rua sobrevivente da cidade.

14 – Catedral de São Sebastião

O arquiteto Edgar Fonseca, que projetou a nova catedral do Rio, inspirou-se nas pirâmides maias, interpretando suas formas crescentes em um contexto moderno. Construída entre 1964 e 1979 e frequentemente referida como a Nova Catedral para distingui-la de sua antecessora imediata, Nossa Senhora do Carmo, a igreja tem 5.000 lugares no interior de 96 metros. Quatro vitrais se erguem 64 metros do chão para iluminar o interior com luz natural de cores brilhantes. À noite, a igreja é iluminada por dentro, um farol brilhante no horizonte central.

O Rio de Janeiro se estende entre a baía e as montanhas, suas atrações tão espalhadas que não há bairro conveniente para mais do que alguns deles. Felizmente, o sistema de metrô do Rio é rápido e eficiente; portanto, os melhores hotéis para turistas estão nos bairros de Copacabana e Ipanema, em meio a restaurantes e lojas, e acessíveis ao acesso ao metrô. Outra opção é Botafogo, uma área residencial adjacente a Copacabana, perto do teleférico para o Pão de Açúcar.

Este artigo te inspirou para começar a planejar uma viagem para Rio de Janeiro?  Entre em contato com nossos consultores e faça sua cotação! ah… Não esqueça de comentar e compartilhar este artigo com seus amigos 🙂

africa Alasca america do sul américa central América do Norte Aruba asia Bahamas Barcelona Berlin Brasil Caribe COSTA RICA Dublin Estocolmo eua europa Flórida Grécia Indonésia Islândia Itália Lake Tahoe Las Vegas Londres Noruega Nova York oceania orlando paris Punta Cana República dominicana Salvador San Diego San Francisco Seattle Seychelles Suécia São Paulo Tanzânia Toronto turquia Veneza viena Zanzibar


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *